No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.
“A invenção do povo judeu”, de Shlomo Sand

“A invenção do povo judeu”: Uma religião proselitista


Por Harry Clark

CounterPunch
, Fevereiro 04, 2010



O mito fundamental do sionismo é o retorno do povo judeu à sua terra. Segundo esse mito, o povo israelita soberano foi conquistado, exilado e espalhado pelo mundo, mantendo-se marginalizado e unido, inspirada pela lembrança da sua antiga soberania. No final do século XIX, o povo judeu iniciou o seu retorno, que culminou na dramática criação do Estado de Israel em 1948, cumprindo um desejo com dois milénios de antiguidade. O historiador da Universidade de Telavive, Shlomo Sand, no seu notável livro “A invenção do povo judeu”, explora o trabalho académico passado, para refutar a historiografia sionista, ressaltando o seu caráter mitológico e em vez disso nos conta a história de uma minoria religiosa e do seu credo oscilando entre o proselitismo e a conversão, sujeita às mesmas forças sociais que afectam qualquer outra minoria religiosa.

Inspirado pelo mito sionista, judeus de Israel...

“Os judeus sabem que uma nação judaica existe desde que Moisés recebeu as tábuas da lei no Monte Sinai, e que são seus descendentes directos e exclusivos (com excepção das dez tribos, que ainda não foram encontradas). Estão convencidos de que esta nação “saiu” do Egito, conquistou a “Terra de Israel “(…) Também estão convencidos de que esta nação foi exilada, por duas vezes, após o seu período de glória – depois da queda do Primeiro Templo no século VI a.C., e novamente após a queda do Segundo Templo em 70 d.C. (…) “Crêem que esse povo – a sua “nação” – vagou pelo exílio durante quase dois mil anos e ainda assim, apesar desta longa permanência entre os gentios, conseguiram evitar a integração ou assimilação no seu seio (…)

“Então —argumentam—, no final do século XIX, em virtude de uma combinação de circunstâncias excepcionais, o antigo povo despertou do seu longo sono e preparou-se para rejuvenescer e retornar à sua antiga pátria. Deste modo, a nação começou a regressar com alvoroço (…)

A invenção do povo judeu: O mito fundamental do sionismo é o retorno dos judeus à sua terra.
A invenção do povo judeu: O mito fundamental do sionismo é o retorno dos judeus à sua terra.

“(…) É claro que algumas pessoas não convidadas resolveram instalar-se nessa terra,  mas em virtude de que durante toda a Diáspora o povo permaneceu fiel a ela, por dois milênios, a terra de Israel pertencia apenas ao povo judeu e não a esse punhado de pessoas sem história que simplesmente tinham tropeçado nela. As guerras travadas pelo povo errante para conquistar o país estão portanto justificadas, a resistência violenta da população local foi criminosa, e apenas graças à misericórdia dos judeus tais estrangeiros foram autorizados a permanecer e viver junto do povo que tinha regressado à sua bíblica e maravilhosa terra”.

Em “A invenção do povo judeu”, Shlomo Sand realça o objectivo reaccionário do mito.

“Dominado pelo conceito de nacionalidade, próprio do sionismo, sessenta anos depois da sua criação o Estado de Israel ainda se nega a ver a si mesmo como uma República ao serviço dos seus cidadãos (…) A desculpa para esta grave violação de um dos princípios da democracia moderna, e para a preservação de una etnocracia manifestamente discriminatória contra alguns dos seus cidadãos, baseia-se no mito de uma nação eterna que em última instância se deve congregar nas suas ancestrais terras”.

A ausência de evidências de expulsão, a preeminência da conversão e o proselitismo [na história da comunidade judaica], mostram que os judeus e o judaísmo foram iguais a qualquer outra minoria religiosa e ao seu credo. Os babilónios, de facto, deportaram a elite judaica quando conquistaram o reino de Judá no século VI a.C., mas nem babilónios nem assírios deportaram populações inteiras. O templo foi reconstruído e Jerusalém arrasada pelos romanos quando estes esmagaram a revolta dos zelotas em 70 d.C., mas “em nenhum lugar da extensa documentação romana há menção de qualquer deportação da população de Judeia”. Nem a revolta de Bar Kochba terminou em expulsão. “É provável que os combatentes fossem levados em cativeiro e outros certamente fugiram (…) mas a população de Judeia não foi exilada em 135 d.C.”

Historiadores nacionalistas (Heinrich Graetz, em meados do século XIX, Simon Dubnow no final do século XIX e início do XX e Salo Baron, em meados do século XX) não vincularam os conceitos de exílio e destruição. Graetz e Dubnow fizeram eco do dramático relato de Flavio Josefo sobre a destruição de Jerusalém; Barão foi mais acadêmica, mas procurou acima de tudo “evitar uma conexão entre o final da Judéia como entidade política e a desaparição da ‘nação étnica’  judaica, que ‘nunca encaixava completamente nos padrões gerais das divisões nacionais’. Deste modo, os judeus são um povo com um passado extraordinário, diferente de qualquer outro povo”. Os historiadores sionistas (Yitzhak Baer y Ben-Zion Dinur, da Universidade Hebraica, meados do século XX) não abandonaram a tese da expulsão no ano 70, mas mudaram-na para uma data posterior à conquista árabe do século VII d.C., como adiante veremos.

O rápido crescimento da população judaica em todo o Mediterrâneo oriental antes de 70 d.C. apresenta outro problema para os historiadores nacionalistas. Para explicar este crescimento, a perspectiva sionista fornece uma lista de causas possíveis que, em ordem decrescente de importância, incluem as deportações, as emigrações para escapar da penúria, a emigração voluntária e, finalmente, um movimento de proselitismo e conversão, que culminou no século I d.C. Sand argumenta em “A invenção do povo judeu” que o último fator foi de longe o mais importante, apesar da visão convencional segundo a qual o Judaísmo seria uma religião não praticante do proselitismo e isolada. Numa palestra pouco ortodoxa dada na Universidade Hebraica em 1965, Uriel Rapaport afirmou categoricamente: “A expansão em tão grande escala do judaísmo no mundo antigo, não pode ser explicado pelo crescimento natural da população judaica, pela migração de judeus da sua terra natal, ou qualquer outra explicação que não inclua a adesão de estrangeiros para o seio da comunidade judaica”. “Rapaport uniu-se a uma tradição historiográfica não judaica, que incluiu grandes estudiosos da história antiga”, que “pretendiam, para usar as palavras fortes de Theodor Mommsen, que ‘o judaísmo antigo não era de forma alguma exclusivo; pelo contrário, era tão propenso a propagar-se como o cristianismo e o Islão o seriam no futuro “. Esta tese “foi bem recebido na Universidade Hebraica”, em 1965, “antes da guerra de 1967, antes do endurecimento do etnocentrismo em Israel e posteriormente nas comunidades judaicas do mundo ocidental. “

A expansão por meio da conversão foi a principal prática da dinastia dos Asmoneus, fundada em 165 a.C.. A historiografia sionista  apresentou o judaísmo como oposto ao helenismo e descreveu a helenização das elites urbanas como uma traição. No entanto, “o que Macabeus expulsaram da Judéia não foi o helenismo, mas sim o politeísmo. Os Asmoneus e as suas estruturas de poder eram francamente monoteístas e tipicamente helenísticas”. “O helenismo injectou ao Judaísmo o elemento vital do universalismo anti-tribal, que por sua vez reforçou o apetite dos governantes para propagar a sua religião (…) O Asmoneus não se proclamaram descendentes da Casa de David e não viram nenhuma razão para emular a história de Josué, o conquistador mitológico de Canaã. “Os Asmoneus conquistaram a Palestina central e meridional, converteram os seus habitantes pela força  e depois fizeram o mesmo na Galiléia. No início do século III a.C. iniciou-se em Alexandria uma tradução grega da Bíblia: o judaísmo estava “convertendo-se numa religião multilingue”. “Não é exagero afirmar que se não tivesse havido esta simbiose entre o judaísmo e o helenismo, que é o que mais do que qualquer outro factor transformou o judaísmo numa religião dinâmica e de propagação durante mais de 300 anos, o número de judeus no mundo actual seria o semelhante ao número dos samaritanos”. “A Mishná, o Talmude e muitos comentários estão cheias de declarações e discussões para convencer o público judeu a aceitar os prosélitos e a tratá-los como iguais”. Parte da competição entre o cristianismo e o judaísmo, no século I d.C., originou-se no “mito de que os judeus tinham sido exilados como punição por ter rejeitado e crucificado Jesus”, que data dos escritos de Justino, o Mártir, no século II e posteriormente  reproduzido por outros escritores cristãos.

Quando o cristianismo se tornou a religião do Estado Bizantino, sob Constantino, “o estatuto jurídico dos judeus não se alterou de forma dramática”, mas os decretos repressivos contribuíram para o declínio do judaísmo. Além disso, “os crentes judeus começaram a adotar a noção de exílio como um castigo de Deus”. “O conceito de exílio veio a moldar as definições do judaísmo rabínico em relação ao crescente poder do cristianismo”. “O futuro que aboliria  o exílio seria totalmente messiânico e inteiramente fora do poder dos  judeus humilhados”. A população judaica começou a declinar quando os ganhos por proselitismo se converteram em perdas devidos às conversões ao cristianismo.

Para os historiadores sionistas tornou-se  “necessário  a existência de um exílio forçado, caso contrário seria impossível compreender a história ‘orgânica’ do povo  judeu ‘errante’ (…) O início do ‘exílio sem expulsão’ (.. .) começou apenas com a conquista árabe”. Isto ajudou “a reduzir ao mínimo o tempo de exílio para maximizar a reivindicação nacional de propriedade do país”. “De acordo com Dinur, o país mudou de mãos unicamente devido à “incessante penetração no país de pessoas do deserto, a sua fusão com elementos exóticos (sírio-aramaicos), a adoção da agricultura pelos novos conquistadores e sua apropriação da terra judaica”. No entanto, Dinur evidencia uma embaraçosa falta de fontes documentais no seu esforço por fundamentar a sua tese sobre a expulsão dos judeus sob o comando dos muçulmanos. “A queda drástica da população judaica, após a conquista muçulmana no século VII, (…) não foi porque os judeus foram expulsos do país, facto sobre o qual não existe a mínima evidência em fontes históricas”, escreve Shlomo Sand em “A invenção do povo judeu”.

A confiscação de terras foi mínima porque o exército conquistador era relativamente pequeno e depois da vitória partiu para novas campanhas. Além disso, os conquistadores tinha uma “atitude bastante liberal relativamente à religião dos povos vencidos, desde que estes fossem monoteístas, está claro”. Aos cristãos e judeus apenas se lhes exigia o pagamento de um imposto. Na ausência provas contrárias, “é correcto supor que na Palestina / Terra de Israel começou um lento e moderado processo de conversão ao Islão, que levou ao desaparecimento da maioria judaica no país.”

Esmagada pelos lados do Mediterrâneo, o judaísmo expandiu-se às margens do cristianismo. O poderoso reino e tribo Himyar, que governou o Iémene, converteu-se ao judaísmo no ano 378, e uma dinastia judaica governou até ao primeiro quarto do século VI d.C.. É provável que os himyaritas sejam a origem da tribo dos judeus etíopes. Em 525 o reino Himyar foi conquistado pelo reino cristão de Aksum, localizado no outro lado do Mar Vermelho, na Etiópia moderna. Em 570 a zona foi conquistada pelos persas, que paralisaram o processo de cristianização, mas o país não se converteu ao zoroastrismo. Quando os exércitos islâmicos chegaram em 629 encontrou-se com uma população cristã e judaica, e “o profeta advertiu-os numa carta para não forçarem a população local a se converter ao Islão”.

Os judeus Himyaritas foram a base histórica dos judeus iemenitas. Baron escreveu, “várias páginas sobre ‘os antepassados dos judeus do Iémene’, e tentou justificar de diversas maneiras o duro tratamento que os judeus iemenitas dispensaram aos cristãos”, por exemplo, no caso do Rei Dhu Nuwas que massacrou 20 mil pessoas por rejeitarem a conversão. Este massacre foi objecto de debate num programa da BBC sobre os Himyaritas, que provocou o protesto da Junta de Delegados da Judiaria Britânica, cujo porta-voz desclassificou a  Dhu Nuwas chamando-lhe de ‘renegado convertido‘.  ”Nós todos sabemos que o judaísmo não é uma religião proselitista” – afirmou um porta-voz da Junta de Delegados. A BBC foi apoiada por historiadores israelitas, um deles disse: “Efectivamente o rei Dhu Nuwas massacrou muitos cristãos. O volume de conhecimento sobre este assunto está crescendo. A tribo converteu-se em finais do século IV e naqueles tempos o judaísmo considerava-se missioneiro. É uma tema sensível aos  judeus sionistas!” Os Himyaritas desapareceram da historiografia sionista.

“A monumental compilação de Dinur, intitulada “Israel no exílio”, começa no século VII d.C. com ’o povo judeu a caminho do desterro’, de modo que o anterior reino judeu ao Sul da Arábia desaparece. Alguns académicos israelitas questionaram o judaísmo dos himyaritas, que provavelmente não eram inteiramente rabínicos, enquanto outros estudiosos simplesmente passaram por cima deste problemático capítulo de la historia. Os manuais escolares publicados em Israel depois la década de 1950 no mencionam o proselitismo do reino meridional.”

Haim Zeev Hirschberg, académico israelita especializado em judeus árabes, afirmou que “os judeus que chegaram da Terra de Israel (…) eram a alma viva da comunidade judaica do Yemen (…) decidiam sobre todos os assuntos”. Sand afirma que “Hirschberg não tinha a menor prova sobre o número, caso exista algum, de judeus de nascimento existentes nas diferentes classes da sociedade Himyarita, nem sobre a origem dos que abraçaram a fé judaica. Mas para Hirschberg o imperativo etnocêntrico era mais forte que sua formação histórica, obrigando-lhe a concluir o seu trabalho com a ’chamada do sangue’”. Ao contrário, os historiadores iemenitas, “insistem em que os judeus do Iémene são ‘una parte inseparável do povo iemenita. Estes povos converteram-se e adoptaram a religião judaica na sua pátria, que naqueles tempos praticava a tolerância religiosa.

O Norte de África constituiu outro bem sucedido capítulo do proselitismo judaico, provavelmente a partir dos sobreviventes fenícios do saqueio romano de Cartago. Existem substanciais provas arqueológicas e epigráficas que dão fé da existência de vida religiosa judaica. Os años 115-17 foram testemunho de uma “revolta messiânica anti-pagã a grande escala” dirigida por um rei judeu-helenístico. Os imperadores romanos Severos dos séculos II e III eram originários do Norte de África e praticavam uma política filo-semita. Os escritores cristãos norte-africanos Tertuliano e Agustín reconheceram a força do judaísmo.

Uma rainha berbere judia chamada Dihya al-Kahina reuniu as tribos do este de Argélia e derrotou o general omíada Hassan ibn al-Numan em 689. Cinco anos mais tarde, as tropas deste último mataram-na no campo de batalha e os seus filhos converteram-se ao Islão, unindo-se aos conquistadores. No século XIV Ibn Khaldun escreveu sobre o reinado de Dihya al-Kahina e descreveu as tribos berberes judaicas que habitavam o território compreendido entre a moderna Tripoli e Fez, em Marrocos.

“Estas zonas tribais coincidem aproximadamente com os lugares onde as comunidades judaicas persistiram até  os tempos modernos”. No relato de Sand, Hirschberg excluiu esta historia e à rainha berbere, assim como as provas da ascendência berbere judaica. “O seu esforço constante por demonstrar que os judeus eram uma nação étnica arrancada da sua antiga pátria (…) satisfazia o imperativo da historiografia sionista dominante (…) que constituía a “fonte científica dos manuais escolares standard da história do sistema educativo israelita”.

Descartada essa história, ainda fica um “grande enigma nos textos de história de Israel (…) a existência em Hispânia de uma comunidade judaica tão numerosa”. A evidência linguística sugere que “os judeus sefarditas são maioritariamente descendentes de árabes, berberes e europeus convertidos ao judaísmo”. Além disso, “o hebreu e o aramaico apareceram nos textos judaicos europeus somente no século X d.C. e não foram produto de uma prévia evolução linguística autóctone. Isso significa que os exilados ou emigrados de Judeia não se estabeleceram em Hispânia no século I nem introduziram a sua língua original”. Os judeus ibéricos deram as boas-vindas aos conquistadores muçulmanos, pelo que suponha de alívio relativamente ao cristianismo visigodo, e a afluência berbere, juntamente com um maior proselitismo, incrementou a população judaica até que a conversão ao Islão se impôs. Isso foi compensado substancialmente pela imigração “de judeus procedentes de todo o Sul de Europa e em maior número do Norte de África”, motivada pela “admirável simbiose entre judaísmo e o arabismo tolerante no reino do Al-Andalus e nos principados que lhe sucederam”.

Os prosélitos Himyaritas e berberes empalidecem perante os cázaros (ou cazares), que governaram desde o século IV ao longo do Volga e a Oriente de Ucrânia na península de Crimeia e na Geórgia moderna. A Rota da Seda e os rios Don e Volga deram ao reino um comercio rico e florescente, bem como os meios para manter um poderoso exército. Embora a “língua cázara consistia em dialectos huno-búlgaros e em outros dialectos da família turca”, “não existe dúvida (…) de que a língua sagrada dos cázaros e a sua língua de comunicação escrita era o hebreu”. Os cázaros converteram-se gradualmente ao judaísmo entre miados do século VIII e miados do século IX, e fizeram-no pelo mesmo motivo “que explica a conversão de Himyar (…), o desejo de manter a independência relativamente a poderosos impérios expansivos (…). Se los cázaros tivessem abraçado o Islão (…) haveriam-se convertido em súbditos do Califa. Se tivessem permanecido pagãos, os muçulmanos os teriam marcado para a aniquilação (…) O cristianismo os teria convertido em tributários do Império Oriental”. A conversão ao judaísmo iniciou-se com a elite, e com o tempo abrangeu a maior parte da população. O judaísmo cázaro era substancialmente rabínico, embora também foi possível o florescimento do judaísmo Kairate, uma seita similar ao protestantismo, que considera a Bíblia hebraica como a única autoridade.

À semelhança do Al-Andalus, “o poder cázaro protegeu judeus, muçulmanos, cristãos e pagãos”. No final do século X e principio do século XI, Kiev, até então território vassalo do poder cázaro, aliou-se com o Império Bizantino e derrotou o reino cázaro. O  judaísmo sobreviveu nas cidades, planícies e montanhas para ser varrido pela conquista mongol do século XIII, com excepção de alguns remanescentes que sobreviveram nas montanhas. O império cázaro estava demasiado bem documentado “por fontes árabes, persas, bizantinas, russas, arménias, hebraicas e inclusive por fontes chinesas” para ser ignorado, contudo Graetz, Dubnow, Baron e Dinur rejeitaram-no considerando-o um fenómeno passageiro, um quebra-cabeças ou o resultado de uma migração massiva da “Terra de Israel”. O único estudo israelita sobre os cázaros, realizado por Abraham Polak e publicado pela última vez en 1951, assegurava que ’uma grande comunidade judaica cresceu ali, na qual os cázaros prosélitos eram apenas uma parte’”. Sand sugere que nos anos 50 e 60 “os comerciantes da memória israelita” temiam “pela legitimidade do projecto sionista no caso de se chegar a saber, de forma ampla, que as massas judaicas de colonos que se estavam assentando na Palestina não eram descendentes directos dos Filhos de Israel’”. “A conquista da ‘Cidade de David’ em 1967 deveria ser obra dos descendentes directos da Casa de David e não, Deus nos livre, de descendentes dos curtidos cavaleiros das planícies do Volga e do Don, dos desertos do Sul da Arábia o da costa do Norte de África.”

Na obra “A invenção do povo judeu”, Shlomo Sand também leva em consideração o argumento popularizado por Arthur Koestler em “A décima-terceira  tribo”, segundo a qual a migração dos cázaros tinha sido a origem dos judeus da Europa Oriental, ao contrário da opinião sionista padrão, segundo a qual esses judeus emigraram da Alemanha ocidental (via Roma e a “Terra de Israel”). “A Cazária desabou pouco antes da chegada dos judeus à Europa de Este, sendo difícil não relacionar ambos os acontecimentos”. Desde princípios do século XIX os cázaros foram estudados a fundo por reconhecidos estudiosos russos, polacos e soviéticos, tanto judeus como gentios, tendo sido considerados como a origem dos judeus da Europa de Este. Polak, e mais tarde Baron e Dinur, reconheceram aos cázaros como sendo a origem dos judeus orientais, embora todos eles disfarçaram a origem proselitista dos cázaros.

Talvez a fonte mais persuasiva citada por Sand em “A invenção do povo judeu” sobre a origem proselitista dos judeus ashkenazis seja o linguista Paul Wexler, da Universidad de Tel Aviv , autor de “Os judeus ashkenazis: um povo eslavo-turco em busca de uma identidade judaica” (e autor de “A origem não judaica dos judeus sefarditas“). Wexler afirma que “a linguagem conhecida como yiddish (…) desenvolveu-se no século IX em terras bilingues germano-eslavas como uma forma judaizada do sorábio, ou línguas lusacianas”. O sorábio é um idioma eslavo falado actualmente por umas 50.000 pessoas em Brandenburgo, no sueste da Alemanha. “O yiddish não é uma ‘forma de alemão’”. As “pequenas comunidades judaicas nos territórios monolingues do oeste da Alemanha” não podem ter sido a origem dos milhões de judeus da Europa oriental. “O judaico-sorábio sofreu alterações (…) a partir dos séculos IX e X e a princípios do século XIII”. “O resultado foi (…) o enxerto de vocabulário do alemão oriental (…) à sintaxe, fonologia e morfologia do judaico-sorábio. deste modo, apesar do seu ‘ar alemão’, o yiddish continua sendo um idioma eslavo ocidental”. O hebreu moderno é também uma língua eslava, não um “renascimento” do antigo hebreu semita, algo “impossível (…) porque não existem falantes nativos que possam proporcionar uma norma nativa”. “O hebreu moderno simplesmente incorpora a sintaxe e o sistema fonético da língua yiddish oriental falada pelos primeiros planificadores modernos do idioma hebreu na Palestina Otomana, enquanto o seu léxico (…) foi sistematicamente substituído por vocabulário hebraico tomado da Bíblia e da Mishná”.

Em “A invenção do povo judeu”, Shlomo Sand estuda também o racismo sionista

Wexler argumenta a partir de evidências linguísticas e outras, que “os judeus ashkenazis são uma mistura de gregos, romenos, eslavos dos Balcãs, germano-eslavos e turcos (cázaros e ávaros caucasianos) convertidos ao judaísmo, juntamente com uma pequena minoria de judeus étnicos, estes últimos provavelmente provenientes de outras partes da Europa, e não da Palestina”. “Por motivos linguísticos, Wexler rejeita a hipótese de migração em massa de cázaros, argumentando que houve mais conversão que migração. “Portanto, o Judaísmo contemporâneo se define melhor não como a continuação do judaísmo que serviu como antecedente do cristianismo e do islamismo, mas uma nova variante judaizada do paganismo europeu (principalmente eslavo) e do cristianismo (...) a maioria das características do antigo judaísmo palestino e do hebraico semita que se podem encontrar no  ’judaísmo‘ ashkenazi e no ‘hebraico‘ ashkenazi medieval / israelita moderna foram préstimos posteriores e não herança original [sublinhado no original]“. Esta tese tem sido obscurecida pelo chauvinismo filo-alemão e anti-eslavo de estudiosos de ascendência ashkenazi, tanto judeus como gentios, por causa de seus antolhos disciplinares e também devido à inércia.

Em “A invenção do povo judeu”, Shlomo Sand estuda também o racismo sionista, desde o proto-sionista Moses Hess, que “necessitava de uma boa dose de teoria racial para elaborar o seu sonho do povo judeu”, até as ideias do padrinho dos kibutz Arthur Ruppin “sobre a luta darwiniana da ‘raça judaica’, incluindo consultas com “especialistas” da Alemanha nazi, até a tentativa discreta dos geneticistas israelitas, depois de 1948, “para descobrir uma homogeneidade biológica entre os judeus do mundo” enquanto investigavam doenças de judeus portadores de Tay-Sachs oriundos da Europa Oriental e de portadores de favismo iemenitas e iraquianos. “O controle israelita, desde 1967, sobre uma população não judaica cada vez maior”, e a consequente necessidade de “encontrar uma fronteira etnobiológica” que realce “as semelhanças genéticas básicas (…) e a pequena proporção de genes ‘estrangeiros’ no pacote genético dos judeus” conduziu a ‘novas descobertas’ que “corroboraram a literatura acerca da dispersão e vagabundeio dos judeus desde a antiguidade até ao presente. Finalmente, a biologia confirmou a historia, na actual pseudo-ciência da ‘genética judaica“.

Israel “converteu-se em líder mundial na ‘investigação das origens dos povos’”, apesar “dos investigadores israelitas (…) misturarem com frequência mitologias históricas com presunções sociológicas e com duvidosas e escassas descobertas genéticas”. Entre estas se inclui o ADN mitocondrial que supostamente demonstraría que “40% de todos os ashkenazis do mundo descendem de quatro matriarcas (como na Biblia)”, e um haplotipo presente em 50% dos varões chamados Cohen, o que ‘demonstrava’ que “a casta sacerdotal judaica foi realmente fundada por um antepassado comum trinta e três séculos atrás”. Este lixo foi impresso em publicações como Nature e o American Journal of Human Genetics, e foi respeitosamente reproduzida no Haaretz e noutras publicações, porém poucas vezes se publicaram opiniões cépticas ou descobertas sensu contrario. “Contudo,  até agora, nenhuma investigação encontrou características únicas e unificadoras da herança judaica baseadas numa amostra aleatória de material genético cuja origem étnica não seja conhecida de antemão (…). Apesar de todos os custosos esforços ‘científicos’ realizados, nunca foi possível definir um individuo judeu por criterios biológicos”.

O relato do judaísmo que realiza Sand, desde a exclusiva genealogia israelita até o proselitismo helénico, passando pelo proselitismo e a conversão às margens da Cristandade, na Arábia, Norte de África, Hispânia e entre os cázaros e eslavos, juntamente com a introversão defensiva posterior ao triunfo final do cristianismo, constitui a interessante e convincente historia de uma minoria religiosa submetida a forças históricas comuns.

O relato contrário, que nos fala de um povo judeu unitário expulso de sua pátria e errante no isolamento do exílio durante dois mil anos até que começa a regressar em finais do século XIX d.C., é um mito reaccionário que o sionismo implantou para conquistar Palestina e receber apoio para essa conquista. Hoje em dia o mito sobrevive sem ser questionado tanto em Israel como no resto do mundo. Ninguém “desafiou os conceitos fundamentais elaborados no final do século XIX e principio do século XX”. Os avances no estudo das nações e do nacionalismo não “influenciaram os departamentos de ‘História do Povo de Israel’ (também conhecido por História Judaica) das universidades israelitas. Nem, surpreendentemente, deixaram qualquer rastro na amplia produção dos departamentos de estudos judaicos das universidades americanas ou europeias”. O mito sionista expressa uma consciência judaica virulentamente racista. Desde o ponto de vista canónico liberal, “qualquer pessoa que argumente que todos os judeus pertencem a uma nação de origem estrangeira deverá ser automaticamente catalogado como anti-semita. Hoje em dia, qualquer que se atreva a sugerir que as pessoas conhecidas no mundo como judeus nunca foram e continuam ser ser, um povo ou uma nação, é imediatamente denunciado como alguém que odeia os judeus“.

Concluindo, Shlomo Sand afirma “o estado de ânimo ao final deste livro (…) é mais pessimista que optimista”. No paragrafo final pergunta:

“A final de contas, se foi possível alterar o imaginário histórico de forma tão profunda, por que não realizar um esforço de imaginação igualmente potente para construir um amanhã diferente? Se a história da nação judaica foi basicamente um sonho, porque não sonhar de novo, antes que se converta num pesadelo?”.



Autor: Harry Clark(1)

Fonte: http://www.counterpunch.org/clark02042010.html

Tradução portuguesa: Sionismo.net.

(1) É possivel contactar com Harry Clark em: [email protected].

As traduções inglesa, francesa e castelhana do livro “A invenção do povo judeu”, de Shlomo Sand podem ser adquiridas online em Portugal no site da Wook.pt. 


"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas

Ativismo! - Participa na luta!