No hate. No violence
Races? Only one Human race
United We Stand, Divided We Fall
Radio Islam
Know Your enemy!
No time to waste. Act now!
Tomorrow it will be too late

English

Franç.

Deutsch

Arabic

Sven.

Español

Portug.

Italian

Russ.

Bulg.

Croat.

Czech

Dansk

Finn.

Magyar

Neder.

Norsk

Polski

Rom.

Serb.

Slov.

Indon.

Türk.

汉语
Robert Faurisson’s Historic Testimony

"HOLOCAUST": a gigantic political and financial swindle

GAZA: Those Jews will experience the fate of all invaders


Interview given by Professor Robert Faurisson to the Algerian
Arabic-language daily Echorouk, published January 12, 2009

 

Entrevista com Prof. Faurisson no jornal Echorouk

“Os alemães procuraram na verdade uma solução territorial para a questão judaica.”

Entrevista realizada por Mourad Ouabass
12 de janeiro de 2009

 

French     German      Italiano      English

Justamente no ponto alto do massacre sionista, onde sofre o povo palestino em Gaza, o Professor Faurisson reafirma que durante a Segunda Guerra Mundial nunca ocorreu um genocídio contra os judeus e que os nacional-socialistas, sob Hitler, nunca cometeram aquilo que hoje se entende por “o Holocausto”. Desde que ele então anunciou sua convicção, o lobby judaico não cessou de combater suas pesquisas históricas e opiniões, além de persegui-lo. Eu o encontrei, pela primeira vez, há mais de dois anos, na Conferência Internacional sobre o “Holocausto”, que aconteceu em Teerã. Desde então eu o encontrei várias vezes e nos correspondemos frequentemente. Com a guerra de Israel contra Gaza, o Prof. Faurisson renova sua posição contra os judeus e seus ataques, descobrindo suas intenções e infâmia e revelando-as a todos. Eu lhe pedi para conceder uma entrevista ao Echorouk (Alvorada, um importante jornal árabe da Argélia), a qual ele atendeu prontamente. Segundo sua visão da situação, Prof. Faurisson profetiza a longo prazo a derrocada dos judeus em sua ocupação da Palestina. Estes judeus sofrerão o mesmo destino dos antigos ocupantes.





Robert Faurisson, quem é você?

Eu tenho quase 80 anos. Eu nasci perto de Londres, em 1929, de pai francês e mãe escocesa. Eu sou cidadão britânico e ao mesmo tempo francês. Eu lecionei na Sorbonne e na Universidade de Lyon. Eu possuo o exame público de Filologia (francês, latim e grego) e doutorado em literatura e ciências humanas (onde entra também a História). Meus dois pontos de interesse são por um lado a “Literatura francesa moderna e contemporânea”, e por outro a “Crítica de textos e documentos (literatura, história e mídia)”. Eu me aprofundei principalmente na propaganda de guerra durante a Segunda Guerra Mundial.


Você poderia discorrer aos leitores argelinos em qual estágio está suas pesquisas, a quais têm como objetivo analisar a história daquilo que se entende hoje por “o Holocausto” judeu?

No processo de Nuremberg (1945-46), o tribunal dos vencedores acusou a Alemanha vencida, entre outras acusações, de 1) ordenar e planejar o extermínio físico dos judeus europeus, 2) desenvolver e utilizar para isso uma arma de destruição em massa, denominada “câmara de gás”, 3) conseguir principalmente com esta arma, mas outras também foram utilizadas, a morte de seis milhões de judeus.


Como você revidou estas acusações?

Para consolidar esta tripla acusação, aceita há mais de 60 anos pela mídia de massa, não foi apresentada uma única prova que suporte uma verificação. Eu cheguei à seguinte conclusão:

A alegada câmara de gás de Hitler e o suposto genocídio contra os judeus constituem uma única mentira histórica, que possibilitou um golpe político-financeiro gigantesco, cujos aproveitadores em primeira linha são o Estado de Israel e o sionismo internacional, e cujas vítimas em primeiro plano são o povo alemão – mas não seus líderes – e o povo palestino em sua totalidade.


Quais foram as conseqüências em sua trajetória de vida devido aos resultados de sua pesquisa histórica, as quais estão em desacordo com a opinião pública, naquilo denominado de “o Holocausto”?

Minha vida virou um inferno em um dia julho de 1974, quando eu fui apresentado pelo jornal israelense Yedioth Aharonoth. Desde 1974 até os dias de hoje, eu sofri dez ataques físicos, inúmeros processos judiciais e condenações, e eu não pude mais lecionar na universidade.

Na França, para silenciar os “Revisionistas”, o que nós somos de fato, o lobby judaico conseguiu aprovar uma lei especial – a lei Fabius-Gayssot, de 13 de julho de 1990, baseada numa lei israelense de julho de 1986. Laurent Fabius é um deputado socialista, rico e judeu, enquanto Jean-Claude Gayssot é um deputado comunista. A lei Fabius-Gayssot prevê uma pena de um ano de reclusão, uma multa de € 45.000 e diversas outras penalidades contra todos aqueles que “questionarem” o suposto “Holocausto”. Em quase todo o ocidente, com mais ou menos leis especiais, o Revisionismo é punido com rigor. Um determinado número de meus colegas revisionistas ou amigos se encontram atualmente na prisão, por muitos anos, principalmente na Alemanha e na Áustria, países com os quais desde 1945 ainda não foi firmado um Tratado de Paz, e cujos governos sucumbem à vontade dos vencedores da Segunda Guerra Mundial.


O “Holocausto” se tornou um tabu mundial?

No mundo ocidental é permitido duvidar de qualquer religião, com exceção de “o Holocausto”. Pode-se fazer piadas sobre Deus, Jesus, Maomé, mas não sobre aquilo que Simon Wiesenthal, Elie Wiesel ou Simone Veil contaram sobre o suposto genocídio ou as alegadas câmaras de gás. Auschwitz se tornou um local sagrado. Excursões são organizadas para lá. Pode-se ver lá os supostos restos pessoais dos supostos gaseados: sapatos, óculos, cabelos e latas do inseticida Zyklon-B, apresentado como um produto que era usado para matar judeus, embora ele tenha sido utilizado para desinfetar as roupas e os alojamentos, os quais foram alvos de epidemias de tifo. Contam-nos que os alemães levaram a cabo na Europa “a solução da questão judaica” e que com esta solução eles, supostamente, esconderam sua verdadeira intenção de exterminar os judeus. Isso é falso. Não se pode trapacear. Os alemães procuraram na verdade “uma solução territorial para a questão judaica”. Eles queriam deportar os judeus para um território que seria deles. Está correto que por um período anterior à guerra, eles pensaram que este território poderia ser a Palestina, porém, eles perceberam rapidamente que esta solução seria impossível e por respeito ao “nobre e bravo povo árabe” (sic! Eu garanto estas palavras), ela teve de ser descartada.


O que aconteceu finalmente então?

Na esperança de neutralizar os judeus durante a guerra, os alemães colocaram um determinado número deles em Campos de Concentração e de Trabalhos Forçados, até que a guerra terminasse. Eles adiaram a solução final para o pós-guerra. Durante a guerra a até os últimos meses do conflito, eles diziam aos aliados: “Vocês admiram os judeus? Pegue-os. Nós estamos dispostos a enviar tantos judeus europeus quanto vocês queiram, mas sob uma condição: estes judeus deverão permanecer na Grã-Bretanha até o final do conflito. Eles não poderão ir para a Palestina sob hipótese alguma. O povo palestino já sofreu tanto nas mãos dos judeus, que seria um “ultraje” (sic!) adicionar mais isso a este martírio.”


Isso me leva a lhe perguntar; qual é sua opinião sobre o massacre que ocorre atualmente em Gaza?

Hoje, mais do que nunca, o povo palestino vive um pesadelo. O exército israelense executou as operações “Uvas da cólera”, depois “Escudo de defesa” em Jenin, seguida da operação “Arco-Iris” e da operação “Dias de penitência”, e vem agora a operação “Chumbo endurecido”. Em vão! Na minha opinião, em vão, pois o Estado de Israel não terá nem a duração do império franco em Jerusalém, ou seja, 89 anos. A maioria dos judeus irá deixar esta terra sob o mesmo pânico dos colonos franceses na Argélia, em 1962, ou como o exército norte-americano deixou Saigon em 1975. Palestina se tornará uma terra livre, onde muçulmanos, cristãos, judeus e outros poderão viver juntos. Em todo caso este é meu desejo, aquele que eu nutro, eu mesmo que há 34 anos sou tratado como um tipo de palestino. Eu falei isso a 11 e 12 de dezembro de 2006, durante a Conferência sobre o “Holocausto”, que aconteceu em Teerã sob a égide do Presidente Ahmadinejad. Nós todos possuímos o meio para apoiar a liberdade da Palestina. Este meio consiste em deixar o mundo todo tomar conhecimento das conclusões da pesquisa revisionista. Deve-se retirar todo o crédito do suposto “Holocausto”, a arma número 1 do sionismo e do Estado de Israel. Esta mentira é a espada e o escudo deste país. Seria absurdo se defender contra o armamento militar dos israelenses e deixar que a arma número 1 se mantenha como marca registrada mundo afora.


Eu tomei conhecimento há pouco, que você está ameaçado por um novo processo, porque você contestou a realidade do “Holocausto” judeu – o que é proibido na França. Quando terminará seus problemas com a justiça, já que logo você estará com 80 anos?

Eu lhe participo aqui que em meu próximo processo, cuja data eu ainda não conheço, irei dizer o seguinte aos três juízes do XVII Tribunal de Justiça de Paris (2-4, Boulevard du Palais, Paris 1. Arrondissement):

“Todo aquele que afirmar que as supostas câmaras de gás dos nazistas e o suposto genocídio contra os judeus seja uma realidade histórica, se vê, consciente ou não, apoiando uma terrível mentira, que representa a arma número 1 da propaganda de guerra de Israel, um das nações coloniais mais racistas e imperialistas. Aquele que ousa se colocar a favor do Mito do “Holocausto”, queira ver suas mãos! Suas mãos são vermelhas com o sangue das crianças palestinas!”

http://abbc.net/faurisson/fr/interv-echorouk.htm


 


Prof. Robert Faurisson interviewed by Iran Television, 11-12-2006

French  
 German     Swedish     Italiano    Spanish    English

Above is a photo of  Free Speech Champion
 Robert Faurisson who refuses  to remain
silent despite years of  persecution, including

physical assaults by Jewish terrorists


From 2008

A Call to Support Holocaust
Revisionist Scholar, Dr. Robert Faurisson


Please show your support for Robert Faurisson
by posting this or passing it along. Thanks!

Above is a photo of Free Speech Champion Robert Faurisson who refuses to remain silent despite years of persecution, including physical assaults by Jewish terrorists.

 

 
January 21, 2008


A Call to Support Holocaust Revisionist Scholar, Dr. Robert Faurisson



Dear Friends,

Holocaust revisionist historian Robert Faurisson will apparently stand trial in his native France for statements that he made at the Iran Holocaust conference of December 2006, which cast doubt on the so-called Jewish Holocaust. As you may know, the Gayssot Act of 1990 prohibits and punishes any public doubt about the Holocaust.

The former Prime Minister of France, Dominique de Villepin, was quoted as saying that "We [the French people] are in a democracy. Everyone has the right to express his views freely, while respecting others, of course." This government prosecution of Dr. Faurisson is clearly a violation of his inalienable right to freedom of speech.

Dr. Faurisson is an outstanding and brave scholar that deserves your support. We ask that all American citizens call and write the French embassy in Washington, D.C., protesting this overt violation of Dr. Faurisson's human rights. The address is: Embassy of France in the United States



4101 Reservoir Road, NW
Washington, D. C. 20007


The phone number is: (202) 944-6000


If you are not an American citizen, we ask that you lodge a protest with the French consulate in your own country on behalf of Dr. Faurisson.

If enough people protest, this very well may have a positive effect.

Best Wishes,

Paul Grubach









"Israel como um Estado judeu constitui um perigo não apenas a si mesma e a seus habitantes, mas a todos os judeus, e a todos os povos e Estados do Oriente Médio e além."

- Prof. Israel Shahak, judeu e fundador da Liga Israelense de Direitos Humanos


Palestine banner
Viva Palestina!

Latest Additions - em Português

A Entrevista do General Remer
Um dos mais famosos comandantes militares da II Guerra Mundial

Quem controla o Brasil - sionismo na presidência

A conspiração Sionista - para dividir os estados Árabes em pequenas unidades

Fotos   

Herman Rosenblat, um – verdadeiro – cara de pau!    


Iraq under Jewish occupation
Iraq - guerra e ocupação


Rabino defende genocídio do povo palestino

A vez do Irã

Um Complô contra a Radio Islam

Massacre em Gaza - A bestialidade judeo-israelita
Por Alfredo Braga

O que é o Revisionismo?
 

"Se eu fosse um líder árabe nunca assinaria um acordo com Israel. É normal; nós tomamos o país deles."

- David Ben-Gurion, Primeiro-Ministro de Israel


Citações - sionismo

Os Judeus Khazares
Por Dr. Alfred M. Lilienthal


Rabino defende Holocausto Iraniano
“devemos orar pela destruição do Irã”

O poder oculto - De onde nasce a impunidade de Israel
Por Manuel Freytas

Down with Zio-Apartheid
StopJewish Apartheid!

Sobre a influência sionista no Brasil: Judeus no Brasil

As vitórias do revisionismo
Por Professore Robert Faurisson

The Jewish hand behind Internet The Jews behind Google, Facebook, Wikipedia, Yahoo!, MySpace, eBay...

Islamofobia = Propaganda Sionista

Um olhar para o poderoso Lobby judeo - Por Mark Weber

The Founding Myths of Modern Israel
Garaudy: "Os Mitos fundadores"


A Lavagem de Dinheiro das Drogas Pelos Judeus
Maior jornal Israelense Ma'ariv revela!

No assunto do rancor judaico à Cristandade - Por Israel Shahak

Racismo Judaico contra Não-Judeus conforme expresso no Talmud

Reel Bad Arabs - Revealing the racist Jewish Hollywood propaganda

Sobre "O Relatório Leuchter"

The Founding Myths of Modern Israel
Shahak: "Storia ebraica"

O Holocausto negro 
“O comércio de escravos estava nas mãos de judeus”

Protocolos dos Sábios de Sião

Videos - Importante coleção
 

Talmud unmasked
A Verdade Sobre o Talmud

O Talmud Desmascarado

Caricaturas 

Ativismo! - Participa na luta!